R --> franchise-predator

Afinal, o que é RPG?

E-mail Imprimir PDF
Avaliação do Usuário: / 13
PiorMelhor 

http://falerpg.mmotales.com.br/images/stories/pastarchives.jpgO que é RPG?

Reeducação Postural Global?

Não, não é desse tipo de RPG que estou falando e sim de Role Play Game ou, Jogo de Interpretação de Papéis, em bom português. Neles, os jogadores criam personagens que participam de aventuras ou missões e vão se desenvolvendo com o tempo. Não está entendendo? Tudo bem, eu explico.


Jogos de guerra

http://www.falerpg.com.br/images/oqerpg/oqehrpg01.jpgUsados, há séculos, por governantes e militares para treinar estratégia, os jogos de guerra evoluíram muito desde que surgiram. No início, sua forma era mais abstrata, como acontece com o xadrez e o go (de origem japonesa). No entanto, aos poucos, adquiriram contornos mais realistas. Em 1953, surgiu a primeira versão comercial dessa modalidade de disputas. Com regras bastante complexas, ela recriava famosas batalhas históricas.

Na década de 60, os norte-americanos Ernest Gary Gygax e Jeff Perren desenvolveram um jogo de guerra medieval que também comportava regras para elementos de fantasia (magos, dragões etc.). Chamava-se o Chainmail.

O sucesso da iniciativa levou Gygax a organizar a Gen Con, uma convenção que reuniu apreciadores do novo gênero. Foi nela que conheceu David Arneson, um rapaz que havia modificado o sistema, introduzindo os primeiros elementos de interpretação. Os dois iniciaram parceria e expandiram as regras do Chainmail a fim de que elas abrangessem, além do combate, outras atividades na vida das personagens. Assim, em 1974, surgiu o primeiro RPG: Dungeons & Dragons (D&D).

http://www.falerpg.com.br/images/oqerpg/oqehrpg08.jpg

Sem tabuleiro

RPG é muito semelhante ao teatro. Nele os jogadores interpretam papeis e uma pessoa faz um papel semelhante ao do diretor. Não existem tabuleiros, mas existem limites e existe um cenário, mas disso eu falo mais abaixo.

E quais as diferenças entre RPG e Teatro?
Poucas, mas importantes.
Os jogadores, que interpretam seus personagens, não seguem scripts, mas eles têm uma série de informações, que eles mesmos criam, para poder atuar. Essa “base de informações” é o que chamamos de ficha. Ali está especificado o quanto ele é forte, inteligente, simpático, esperto, rápido, etc... O modo mais simples de quantificar é com números, logo, normalmente as fichas tem essas especificações de forma numérica.
Na ficha, também constam informações importantes como o nome do personagem, altura, cor dos olhos e, se o jogador tiver uma boa mão ou conhecer alguém que tenha, até mesmo um desenho do personagem pode estar ali. Muitos jogadores aprenderam a desenhar inicialmente para ilustrarem suas fichas.
O “diretor” do jogo de RPG pode receber muitos nomes. Mestre é um deles, mas pode ser narrador, observador e até mesmo... diretor! A função dele é um pouco mais complicada. Enquanto os jogadores se preocupam somente com seus personagens, o Mestre faz todo o resto. Ele imagina como é o mundo aonde vai se passar o jogo, quem são as outras pessoas que vão interagir com os jogadores e, claro, nos desafios.

Lembra que eu disse que não existia tabuleiro, mas existiam limites?

Pois é, RPG, normalmente, se joga sentando numa mesa, com as fichas nas mãos e o Mestre cheio de papelada. Em geral jogadores estão sempre animados, por que o RPG não é uma disputa e sim, um jogo colaborativo.

Um bom exemplo são jogos medievais, inspirados em contos históricos e fantásticos como O Senhor dos Anéis. Normalmente o grupo faz o papel de um grupo de aventureiros e o mestre cria desafios, desde coisas simples, como ser guarda-costas de um nobre de uma cidade para outra, até resgatar um reino inteiro das mãos de um vilão.

http://www.falerpg.com.br/images/oqerpg/oqehrpg07.jpg

Mas eu vi dados!
http://www.falerpg.com.br/images/oqerpg/oqehrpg04.jpgClaro que viu! Lembra que falei dos números nas fichas dos jogadores?
Então, os dados servem para ajudar a determinar ser um personagem conseguiu algo ou não.
Vamos pensar em valores de 1 até 10. Se for pensar em Força, Agilidade, Inteligência e Aparência, que notas você se daria?
Mas vamos ser realistas. Pense que uma pessoa com Força em 10 é a mais forte do mundo e 1 é para um bebê de colo. Imagina-se que a maioria das pessoas ficam com valores em torno de 5, certo? Se você faz sua academia você pode chegar a 6 ou talvez 7, mas só profissionais chegariam a valores maiores do que 8.
Pronto. Você acabou de pensar em sua ficha de jogo!
No RPG, a grande diferença é que você não pensa em você e sim no seu personagem. Ele pode ser grande e forte, mas meio burrinho, ou Simpático e inteligente, mas não muito forte...
Assim como na vida, mesmo alguém muito forte pode não seguir fazer algo, como forçar uma porta, ou alguém muito bonito pode não conseguir conquistar alguém, no RPG isso acontece. E ai que entram os dados.
Se eu apresentar uma porta para alguém forte, nós, instintivamente sabemos que existe uma chance dele não conseguir. Ele pode não ter sorte, não apoiar o pé de forma correta ou mesmo ter azar e tropeçar!
No RPG jogamos dados. Claro, quanto maior for o numero que a pessoa tenha, mais fácil é.
Se pegarmos duas pessoas, uma com um valor de 5 e outra com um valor de 8 e fomos medir, claro que a com valor 8 tem mais chances. Num RPG poderíamos rolar um dado de 10 faces.  Quem tem força 8 precisa de 7 ou menos e quem tem 5 precisa de 4 ou menos. Quem tem mais chances de conseguir?

Acho que agora você entendeu por que temos dados e o papel de cada um.

Sem vencedores

Você deve estar se perguntando: Como se ganha uma partida?

http://www.falerpg.com.br/images/oqerpg/oqehrpg05.jpgTecnicamente, não há vitória. Pelo menos, não no sentido que costuma se associar a um jogo. As personagens empenham-se em alcançar o objetivo de cada história, que pode ser tão simples quanto salvar a princesa, ou tão complexo quanto derrubar o governo. Ao fazerem isso, ganham experiência na forma de pontos. Assim, os protagonistas das aventuras simulam a vida real, desenvolvendo uma história pessoal ao adquirirem novos conhecimentos e habilidades.

Você não falou dos limites.

Oh sim, claro. Como tudo na vida existem limites. RPG é jogado durante o que chamamos de sessão de jogo. A sessão é o tempo em que o grupo se dispõe a gastar se divertindo.
Assim como o futebol temos os 90 minutos de jogo (mais intervalos), no RPG os grupos tem o tempo. Pode ser uma tarde agradável na casa de alguém, enquanto se come salgadinho e bebe refrigerante, pode ser durante um evento de RPG, ontem muita gente com o mesmo hobbie vai pra se divertir, jogar e conhecer gente nova... O importante é; não se joga RPG o tempo todo, assim como um ator não interpreta o tempo todo e um jogador de futebol não está em uma partida o tempo todo.

Um ponto crucial são as regras.

Lembra da brincadeira de polícia e bandido?
Sempre tinha aquela coisa de um gritar “BANG, te acertei” e a outra criança gritar que não acertou e isso podia durar horas.
No RPG existem livros de regras, que ajudam o Mestre/Narrador/Observador/Diretor (chame como quiser) a conduzir o jogo de uma maneira ordenada. Pode ser que o livro dê limites entre 1 e 10 como eu fiz acima, ou determine um valor em porcentagem ou até mesmo algo entre 3 e 18!
O que importa é que os livros são uma ajuda para quem joga e para quem quer começar, pois é explicado como se cria uma aventura e como cada tipo de personagem pode ser construído.

Eu vi gente vestida esquisita na casa do vizinho!!!
http://www.falerpg.com.br/images/oqerpg/oqehrpg02.jpgBom, pode ser uma festa a fantasia, mas podia ser o que é chamado de Live Action. Assim como em um palco as pessoas se vestem como seus personagens e interpretam as falas, as vezes grupos de jogadores querem fazer isso com seus jogos.
Eles estabelecem um lugar sossegado, como o quintal do seu vizinho e jogam por um tempo determinado, que pode ser uma tarde ou, como em uma festa, até virando noite.
Espera-se que quando for fazer algo a noite, os grupos não façam barulho, ou peçam permissão aos vizinhos.
Terminado o tempo do “Live” as pessoas botam ruas roupas normais e vão pra casa.
Outro detalhe importante são as regras.
Como citei acima, elas são a guia de todo jogador e mestre. Com as regras você não precisa imaginar como fazer para o seu personagem forte fazer algo. No livro diz que para conseguir, por exemplo, abrir uma porta simples, ele só tem que rolar o dado e consegui um numero menos que a força dele, por exemplo.
No caso de live, existem outras regras cruciais. A mais importante é “Nunca pode acontecer contato físico”.
Vamos voltar a infância.
Lembra quando um cabo de vassoura era uma espada?
Quantas vezes um vidro se quebrou ou alguém foi acertado?
Por isso, nos lives, não é permitido que pessoas encostem nas outras nem que objetos encostem seja em pessoas ou em outros objetos.
A maioria dos lives, inclusive, não permitem objetos que possam machucar. Se você quer uma espada, você ganha um papel escrito “ESPADA” e pronto

http://www.falerpg.com.br/images/oqerpg/oqehrpg09.jpgRPG é usado no mundo com o papel se sociabilizar e ajudar.
Recomendo que vejam esta matéria O RPG "Live Action" pode mudar o mundo – opinião do ministro da Noruega para o Desenvolvimento Internacional e também RPG: Aprovado pela NASA para entenderem do que falo.
RPG é jogado dentro de casa. Assim os pais podem saber onde os filhos estão.
Quer que seu filho esteja por perto e ele joga RPG?
Aqui vai a receita mágica.
Fale pro seu filho ou filha para convidar os amigos (no caso, o nome comum é grupo de jogo). Explique que você vai fazer um lanche para todos do grupo.
Veja se seu filho quer usar a mesa da sala ou se vão jogar no quarto dele.
Principalmente, não fique perguntando.
Seja um bom pai ou boa mãe e deixe seu filho com os amigos. Nada impede de você passar e escutar, mas lembre-se sempre que ali estão todos interpretando um papel. Escutar que alguém vai atacar com a espada, é provavelmente um personagem tentando salvar alguém e não uma coisa real.
Demonstre interesse. Pode ser antes do dia do jogo, durante a hora do lanche ou mesmo depois. A maioria dos RPGistas não vê problemas em explicar, desde que a frase não comece com “aquele negócio esquisito”. É como chegar pra alguém que gosta de vôlei e falar daquela coisa ridícula que se joga com as mãos... desanima, certo?

http://www.falerpg.com.br/images/oqerpg/oqehrpg03.JPGOutra boa dica e pedir os livros emprestados. Pergunta a seu filho ou filha que livro ele/ela poderia emprestar. Assim você vai ler sobre o cenário, as regras e entender melhor o que acontece.
Ir em livrarias especializadas é uma boa.
Outra dica interessante é oferecer um livro de RPG como presente a seu filho. Pergunte o que ele gostaria de ganhar.
Um lugar divertido de ir, são os encontros de RPG. Sejam grande ou pequenos são sempre situações divertidas. Assim como você não gostava de ter seu pai/mãe grudado em você em uma festa ou na escola, seu filho(a) pode não querer ficar grudado e passear com os amigos. Aproveite! Vá olhar tudo! Descubra mais coisas. Fale com donos de lojas, o pessoal que está expondo material. É um mondo novo, uma cultura nova e é sempre bom aprender.

Nossa! Falei demais! :-)

Espero ter ajudado. Caso sobre alguma dúvida, inscreva-se aqui na FaleRPG e apareça no nosso fórum. Ou eu ou um dos nossos colaboradores pode ajudar a explicar qualquer coisa que tenha passado em branco um até uma dúvida específica sua.

Lembre-se, RPG ajuda a sociabilizar, incentiva a leitura (existem livros de RPG com mais de 300 páginas) e ajuda seu filho(a) a criar amigos em um ambiente saudável!

Última atualização em Ter, 10 de Abril de 2012 21:49    

Comentários  

 
#1 gracilariopsis 11-04-2012 05:40
Muito bom o texto. Espero que ele chegue a quem deveria chegar.
 

Para enviar comentários é necessário estar logado no site. Se você está logado e não consegue enviar um comentário, verifique se você não foi punido com suspensão.

Acesso Rápido

Visitantes

Nós temos 54 visitantes online

Menu de Usuário

Meus Controles