Capítulo Um - A Ilha dos Desafios

FaleRPG - Capítulo Um - A Ilha dos Desafios

Bem-vindo, Visitante. Por favor faça o Login ou o Registro.
Setembro 22, 2018, 05:21:41 pm

Início Ajuda Busca Calendário Logar-se Registrar Jogar Dados Voltar para o Site The Geek Space 9
+  FaleRPG
|-+  Mesa de Jogo
| |-+  PBFs - Fantasia e Medieval
| | |-+  O Reino da Vastidão de Além-Mar (Moderador: Wyczek)
| | | |-+  Capítulo Um - A Ilha dos Desafios
« tópico anterior tópico seguinte »
Páginas: 1 ... 11 12 13 [14] 15 16 17 Ir para o Fundo Imprimir
Autor Tópico: Capítulo Um - A Ilha dos Desafios  (Lida 18377 vezes)
Ninna N. P. Gomes
Novatos
*
Offline Offline

Mensagens: 25


« Responder #299 Online: Julho 21, 2017, 12:33:06 am »

Muito tempo atrás....

- Ãhh?... Ora....... - Dizia ela, numa voz meio penosa, enquanto os seus próprios olhos apenas se acostumavam a enxergar a silhueta que ali se formava, acima da tampa entre-aberta da caixa, ao topo.

A jovem era uma adolescente de pele muito clara, roupas simplórias e despojadas, e com um ameno sorriso de surpresa estampado no rosto.

Você queria muito era sair daquela sua caixa e caminhar, esticar-se um pouco mais, respirar o ar puro e receber a luz do dia que se aproximava...! Estava um pouco frio ali fora, naquela praia...



jovem adolescente; obs: sem as marcas no rosto


Retha levanta a mão a atura dos olhos para protege-los contra a forte luz que entrava no pequeno local, até se adaptar. A mente dela estava em branco por alguns minutos antes dos instintos falarem mais alto: "Estou em terra firme."

– Com licença! Rapidamente Retha sai da caixa quase que pulando, deixando a mochila para trás, e senta-se no chão, quase deitando de costa para ele. Ela dá uma rápida olhada para o sol, mas logo protege os olhos.

– Olá sol, senti sua falta e do seu calor. Após renovar seus pulmões e sentir o convidativo calor por um minuto, ela se levanta abruptamente e tira a poeira da própria roupa produzido pela ação, pois, recorda do porquê estar finalmente fora daquela caixa. Sentido o martelo amarrado em sua cintura, enquanto tirava a poeira, retoma a sua habitual confiança e caminha até a jovem adolescente para falar. Quando ela se aproxima, reclina a cabeça e tronco em alguns ângulos para baixo como uma reverência.

– Muito obrigada por me tirar de lá e desculpa por esse infortúnio. Levantava a cabeça para olha-la. – Ou surpresa, se preferir. Com um sorriso no rosto e corrigindo a postura, estende a mão até a moça. – Eu sou Retha Ayodele. Qual o seu nome?
« Última modificação: Julho 31, 2017, 03:09:58 am por Wyczek » Registrado
UrbanShark
- kouseko jikon desu
Global Moderator
Mentor
*****
Offline Offline

Mensagens: 5058


- urusai, urusai, URUSAI -

GAMER's SHARK E-mail
« Responder #300 Online: Julho 21, 2017, 08:03:18 am »

- Como assim, uma jaca? - Encarou séria a fada, achando que se tratava de outra de suas brincadeiras estranhas, e ao ouvir a resposta, apenas revirou os olhos, e nem se deu ao trabalho de imaginar se a comparação da nanica estava certa ou não.

- Você é quem merece uma porrada na cabeça... - Respondeu baixo de maneira que a fada não pudesse ouvir. Talvez até um pouco furiosa com a fada por aparentemente não estar levando aquele problema a sério, mesmo sabendo que aquele era o jeito dela.

Assim como Ilyas ela também temia que essa troca de personalidade de Cael pudesse acontecer durante o concurso, e aquele que ele falara sobre procurar ajuda, fazia sentido - Sim vamos fazer isso!

Então aquela estranha reptiliana se aproxima e interroga-los, a Drow ergueu uma das sobrancelhas e respondeu - Nada demais, problemas internos, só iss... - Nesse momento Ilyas já havia virado seu pulso na direção da reptiliana, Syllence suspirou imaginando que talvez não devesse confiar tão facilmente em estranhos, apesar de que não conhecia tão bem seu grupo assim, mas ao menos já estava convivendo com eles a algum tempo.

Ela não chegou a mostrar sua marca a grande lagartixa, e então ouviu a palavra maldição - Droga... - Praguejou baixo.

A analise da reptiliana parecia bem mais precisa que a de Vanessah, ao ve-la entregar aquele item a fada, ela levemente imaginou o que poderia ser, mas não tinha um conhecimento apurado para ter uma certeza. Virou-se para a Repitiliana e falou ainda em tom baixo - Sabe como remover a "maldição"?
« Última modificação: Julho 21, 2017, 08:10:10 am por UrbanShark » Registrado
Natbear
Iniciado
***
Offline Offline

Mensagens: 171


The Bear Next Door

Savage Minds Comic
« Responder #301 Online: Julho 21, 2017, 10:37:03 am »

Cael conseguiu perceber no sotaque do faxineiro a semelhança com o de Iyas, era mais fácil ainda porque Iyas era provavelmente o único humano que Cael conhecia com aquele sotaque distinto. Infelizmente não podia dar atenção àquilo. Não podia arriscar com o feitiço.

O jovem elfo se aproximou dos aposentos e empurrou levemente a porta, abrindo-a um pouco mais, mas antes de entrar, ficou parado diante o cômodo e fez outra pergunta ao humano sem virar em sua direção:

- Tem certeza do que disse? O senhor viu alguém entrando neste quarto? - a última coisa que queria era entrar ali e encontrar alguém, pelo bem deste ser e de sua própria sanidade.
Registrado
Jean Valjean
Conhecedor
*****
Offline Offline

Mensagens: 1114


« Responder #302 Online: Julho 23, 2017, 11:20:33 am »

- Pois é, pensamos que estava resolvendo, mas vamos ter que resolver esta maldição pela raiz. Por enquanto aquelazinha é forte e eu não posso transformá-la na cobra que ela é, mas deixa eu ficar mais forte para verem, nem em cobra vou transformar, vai virar é uma barata, e ele poderá pisar nela com prazer, e vamos rir do prazer disto, huhauhauhauhauuhaheheuhauhuahaueheheeeehuauauaeeua.

Depois que a mente da Vanessah volta para o mundo real, ou pelo menos volta segundo os parâmetros do que seria normal para ela. Ou menos surreal, já que "normal" para ela não é algo com muito significado...

Ela vê a lagartixona lhe oferecendo um charuto e faz uma careta.

- Ah, sério? Mais drogas? Vocês massivos tem uma mania de se entupir com porcaria né? Com tanta coisa boa na natureza, tanto perfume, tantas frutas, tantas cores, tanta gente pra namorar... e o que os massivos fazem? Se entopem com cigarro, álcool, briga de buteco... aaaaffff por que vocês nos dão tanto trabalho?

(ela gesticula com as mãozinhas como se fosse uma italiana falando)

- Tá... tá... Vou acender esta porcaria para você, mas que fique registrado que eu sou contra, se o Iyas quer se entupir com cigarrinho do capeta, oh, desculpa, devia dizer cigarrinho de lagartixa, é força de expressão não se magoe, mas também vai ser problema dele, eu lavo minhas mãozinhas.

Ela canaliza seu chi, não deve gastar muita energia só pra acender um cigarro de palha.

- Per Piro, Fayrus invocat!

- Pronto, já fiz minha parte, podem ficar aí se intoxicando e se matando aos poucos. Vou lá em cima colocar aquele lerdo para dormir.

Ela sai, mostrando a língua para vocês :P e cantarolando uma cantiga de ninar.

« Última modificação: Julho 23, 2017, 11:23:48 am por Jean Valjean » Registrado
Wyczek
Moderator
Conhecedor
*****
Offline Offline

Mensagens: 1121


Space Gnome

« Responder #303 Online: Julho 23, 2017, 10:14:20 pm »



Retha

- Não foi nada... nada mesmo. - declarou a garota, com um brando sorriso, talvez ainda confusa pela sua "vinda-surpresa". - Retha, é? E eu, sou Béthia! Muito prazer...... - Por um breve instante, ficou em dúvida entre apertar ou não a mão da recém-chegada, mas em seguida apertou-a rápido e firmemente... e que mão gelada!... Tá certo que era um amanhecer um pouco frio com aquela brisa marítima e o sol recém se levantando, e também que Béthia parecia ser meio paupérrima, a julgar por suas vestimentas simples, envelhecidas e meio desbotadas, e também talvez por um rosto meio abatido; mas ainda assim...

Então, Béthia, desviando a atenção de Retha, debruçou-se sobre, das duas, a grande caixa aberta em que ela havia viajado na escuridão total provavelmente por mais de 1 dia inteiro - Bom, vamos ver o que eles trouxeram pra nós desta vez.......! - Ela parecia remexer o grande amontoado da carga, de folhas secas estranhas e pontiagudas, e daquelas sementes comestíveis e nutritivas das quais Retha tinha se alimentado... Então de repente pára, e olha para um canto da caixa, e, com apenas uma só mão, puxa de lá...... a sua pesada mochila de forja...!!! como se fosse uma mochilinha qualquer! - Ahh! Acho que isto é seu, né? - meio que soltou o material na frente de seus pés e depois, voltou a olhar pro interior da caixa, mas, sem encontrar mais nada de interessante, voltou-se novamente para Retha, sacundindo as mãos nas vestes pelo trabalho concluído.
« Última modificação: Julho 23, 2017, 10:29:58 pm por Wyczek » Registrado
Wyczek
Moderator
Conhecedor
*****
Offline Offline

Mensagens: 1121


Space Gnome

« Responder #304 Online: Julho 23, 2017, 10:27:33 pm »



Cael

- Pois sim, Senhor!...- respondeu resoluto, mas ainda assim ansioso, o rapaz. - Isto é... não ver direito quem entrou, mas ouvir esta porta bater, sim! de longe...

Aquelas informações o jovem elfo não sabia ao certo se lhe ajudavam ou não; mas a maçaneta já estava a 1cm de sua mão agora; Se o objetivo era não incomodar ninguém, Cael estaria no mal caminho agora... por outro lado, não poderia ser muito pior voltar a descer lá em baixo, e arriscar-se no meio da multidão no salão... ainda que seus companheiros estivessem provavelmente por lá, preocupados, ou ainda pior, bêbados?... Se pudesse trocar a chave, seria ótimo... ou trancafiar-se naquele mesmo quarto sozinho - caso descobrisse que não houvesse ninguém no final das contas! Mas haveria motivo para desconfiar do funcionário?
« Última modificação: Julho 23, 2017, 10:29:15 pm por Wyczek » Registrado
Wyczek
Moderator
Conhecedor
*****
Offline Offline

Mensagens: 1121


Space Gnome

« Responder #305 Online: Julho 23, 2017, 10:56:17 pm »

Syllence, Iyas, Vanessah

O charuto em posse de Shmaxmath é aceso pela luz faiscante que sai das mãos de Vanessah... é um fenômeno bastante intrigante e raramente visto; a Lagartiana Azul observa o brilho, depois estende o charuto incinerado a Iyas:

- Caso sssssentir muita dorrr, fume um poucoo disssto...! - Em seguida, volta-se a Syllence, disse também baixo, mas sempre sibilante: - O Ssssábio...! pressscisam consssulltá-lo...! fora da sssscidade ele vivvve...! No Bosssque de Arkhóreasssss. Massss, eu não tennnho muito maissss como ajudá-losss diretamennnte....! Ahhhh...! Quem ssssabe também...... a Igreja..........? Quem ssssabe.... algum sssssacerdote.... - A senhorita-grande-lagartixa parecia um tanto relutante com aquela última alternativa... Ainda assim, não parecia aos Desafiantes uma má alternativa; bom, especialmente para Iyas parecia razoável pedir auxílio a uma instituição religiosa urbana.

Vanessah foi-se a caminho do segundo andar, mas a medida que atravessava o salão voando velozmente, foi interpelada por... Niwo, a Fada da Montanha: - Vanessah?! Espera, mocinha!



Syllence: 1-CRD, 1-PRE, 1-DEV
« Última modificação: Julho 23, 2017, 10:57:36 pm por Wyczek » Registrado
Natbear
Iniciado
***
Offline Offline

Mensagens: 171


The Bear Next Door

Savage Minds Comic
« Responder #306 Online: Julho 24, 2017, 10:36:29 am »

- Obrigado. - agradeceu sem muito ânimo. Se ele apenas ouviu a porta bater, como sabia que era aquela? Talvez ele houvesse se confundido.

No atual humor, Cael tinha muito pouca paciência para lidar com aquilo, muito diferente de como ele normalmente era. Estava quase mudando de ideia e descendo as escadas para ir dormir em algum canto na rua em que pudessem lhe deixar em paz. Mas precisava conferir se havia alguém naquele quarto, pois ainda era sua melhor opção.

Com a mão na maçaneta, o ruivo tenta uma última vez antes de abrir a porta:

- Com licença. Há alguém utilizando o quarto? - inquiriu com o tom de voz um pouco mais alto, esperando que se houvesse alguém ali dentro, pudesse ouvi-lo e responder.

Se não houvesse resposta, só lhe restaria entrar nos aposentos.
Registrado
Jean Valjean
Conhecedor
*****
Offline Offline

Mensagens: 1114


« Responder #307 Online: Julho 24, 2017, 02:10:14 pm »

Niwo puxa Vanessah pelo rabo, fazendo ela dar um 180 no ar.

- Oooiii Niwo. Que foi, priminha?
« Última modificação: Julho 24, 2017, 08:55:58 pm por Wyczek » Registrado
Ninna N. P. Gomes
Novatos
*
Offline Offline

Mensagens: 25


« Responder #308 Online: Julho 26, 2017, 04:36:42 am »

Muito tempo atrás....

Quando Retha aperta a mão da nova conhecida, recebe o choque de temperatura com surpresa, mas não larga de imediato. Ela não sabia se era comum para pessoas que vivem, ou trabalham, no porto terem tal temperatura. Entretanto, ela própria não poderia avaliar pois, de onde veio, pessoas que trabalham tem sangue quente, como a dela ou de sua própria família. Aquela fração de pensamento lhe dava um sentimento pesado do qual não gostava de pronunciar, então logo foi substituída para o que fazer por agora.

Notando que Béthia remexia na caixa, comentou, aguardando ela terminar: – Oh bem, desculpa pela bagunça ai dentro da caixa. Sabe como é? É dificil deixar tudo no lugar quando não consegue nem sair ou nem se mover por dois metros. Retha estava tentando pensar em seu próximo passo, mas todas aquelas informações e acontecimentos eram desconcertantes. Ela ponderava enquanto falava: – Aaaaqueles caras eram despachantes ou eram os piratas, mais ao estilo roubar dos ricos e dar aos pobres? Sem julgamento ou nada, mas...

A pequena garota se interrompe quando Béthia volta a falar novamente, mas principalmente, para por ter a visão da própria mochila; Tão pesada, mas com igual importância para ela, com a qual teve tanto trabalho em separar entre extremamente necessário e o quanto ela mesma poderia carregar. Como novata, talvez nem tenha feito um bom julgamento, mas por hora, eram suas ferramentas para realizar o próprio sonho.

O motivo de estar ali.

– Ah sim, ele é meu sim, valeu! Assim quando a mochila cai próximo, Retha se abaixava para examinar a mochila, mais por hábito de vasculhar do que desconfiança de algum conteúdo tenha saído de lá. Em seguida, testava o peso da mochila puxando um pouco acima do chão, recordando do quanto era pesado. Porém, ela acreditava que iria se acostumar, ou talvez até ficar mais resistente. Todavia, ela não levanta a mochila até as costas da mesma, apenas deixa ela no chão antes de conversar novamente: – Aqui é a Ilha dos Desafios? Droga, desculpa por não recordar o nome da tal ilha. Se sim, onde posso me apresentar para o desafio? Não, espera! Retha gesticulava muito enquanto falava, mas ela cessa somente para olhar para cima e determina as horas antes de voltar a atenção para Béthia. – Conhece algum lugar onde eu possa passar a noite?
« Última modificação: Julho 31, 2017, 03:35:48 pm por Ninna N. P. Gomes » Registrado
JP Vilela
Aprendiz
**
Offline Offline

Mensagens: 83


« Responder #309 Online: Julho 26, 2017, 11:47:55 pm »

A aquela altura, e com tudo que já havia acontecido, Iyas já não se importava com o ir e vir caótico, e para ele sem sentido da fada. Pensava que ela seria o ponto de maior instabilidade do grupo, até ver o outro colega surtando do nada.

Mas logo depois se surpreendeu com aquele gesto solidário da desconhecida de sangue frio, foi inesperado o suficiente para apaziguar, mesmo que apenas momentâneamente, a raiva irracional do forasteiro. Agora
o sujeito mudava sutilmente seu semblante emburrado para uma feição intrigada.

- Ah...Shukraan... - agradeceu, recolhendo o charuto aceso da mão da xamã, levando a altura dos olhos e o examinando por uns breves instantes.

Parecendo um animal ele trouxe o item para mais perto do rosto, farejando a base e rapidamente afastando ao sentir o cheiro forte do conteúdo.

O ato de consumir certas ervas a través do fumo não era algo desconhecido para a cultura do estrangeiro, embora lá a coisa que mais se assemelhasse aquele charuto era como Faris fumava, com um longo e lustroso cachimbo. Era muito comum encontrar em casas prazeres instrumentos como o narguilé, embora o jovem adulto nunca possuísse dinheiro sobrando o suficiente para tentar aquele tipo de coisa... Ainda por cima, sendo que bebidas eram muito mais práticas na hora de serem consumidas do que aquelas fumaças em sua opinião... E ainda por cima, bebidas eram geralmente sempre mais baratas. 

 Voltando-se para a Drow, mas sem olhar diretamente para ela mantendo em vez disso o olhar em uma das mesas ao fundo Iyas disse:

- Muitas pessoas nós ter far agora - comentou sem muita animação - Mas nós falar com Gadmos primeiro ... Falar do Concurso. 
« Última modificação: Julho 26, 2017, 11:53:29 pm por JP Vilela » Registrado
UrbanShark
- kouseko jikon desu
Global Moderator
Mentor
*****
Offline Offline

Mensagens: 5058


- urusai, urusai, URUSAI -

GAMER's SHARK E-mail
« Responder #310 Online: Julho 28, 2017, 04:54:34 pm »

Syllence revirou os olhos quanto ao "chilique" que a fada havia dado, apesar de que por um lado ela não estava errada.

A mesma deu de ombros e escutou a resposta da lagartixa, esta que parecia ter um certo receito ao falar sobre a igreja, ao seu ver ambas as opções apresentadas eram boas, mas talvez por já estarem na cidade um sacerdote fosse a melhor escolha no momento, por outro lado era mais uma coisa para fazerem e decidirem, quanto mais tempo ficavam acordados mais problemas surgiam. Fez sinal de positivo como quem agradece pela informação e encostou-se na parede, enquanto olhava para a marca da tal maldição.

Ao ouvir o colega humano fazer tal comentário, a Drow deu um sorriso irônico e respondeu - Sim, nos tornamos pessoas bem ocupadas!! - Suspirou e olhou o que Allegro estava fazendo, cobriu a marca com a manga e concordou com os ultimos dizeres do humano - Espero que ele não demore, precisamos descançar, amanhã vai ser um longo dia!!
Registrado
Wyczek
Moderator
Conhecedor
*****
Offline Offline

Mensagens: 1121


Space Gnome

« Responder #311 Online: Julho 31, 2017, 02:35:28 am »



Iyas, Syllence, Vanessah

Em meio à ansiedade, à irritação e preocupação, mas também à comodidade do paraíso artificial do momento - as bebidas que já havia tragado começavam a surtir efeito finalmente... - , Iyas desejava ir ao encontro do próximo copo. O mercenário do Continente Árido, diferentemente de seus companheiros, não se sentia mais exausto pelo naufrágio; mas ele já não poderia entender claramente a indisposição dos outros naquele momento; então crescia no jovem humano uma intensa disposição, não só de encontrar o Sr Graadmonz nas próximas horas, talvez ir atrás de uma alternativa para a maldição, mas... também, e sim, principalmente, crescia nele uma boa disposição para mais vinho, ou quem sabe rum...? Mas já não era tão evidente que o Anão ofereceria a ele mais uma rodada... talvez tivesse que arcar do próprio bolso agora, mas e então?
Syllence podia reconhecer no estado de Iyas, o princípio de seu vício... será que iria acontecer tudo de novo? (lembrando-se da briga na taverna em Bradbaum, que começou com a bebedeira dele).
Allegro tinha parado de perseguir a cauda da Reptiliana; agora ela tinha ido sozinha para baixo de uma mesa próxima, em que não havia ninguém... e ela levava o arco longo da caçadora Drow.
Syllence pensa que seria bom se pudessem descansar um pouco, todos... mas lá em cima, tinham o quarto reservado da estalagem aparentemente... só que também tinham que lidar com a inconsistência de Cael, agora. Raios! Na realidade, Syllence agora se via solitária, em que tinha que lidar simultaneamente com o devaneio dos 4!! - incluindo Allegro, embora dela fosse razoável descontar um pouco, lógico... Mas agora todos pareciam ter um único nome: Problema!

- Óh! Perdão, Vanessinhah! Eu não sabia que sua cauda faria isso com você! - disse Niwo a Venessah que andava apressada - Eu nunca vi uma Fada com uma cauda antes...! Aí eu quis "experimentar"...! E você estava tão apressada e surda que foi o único jeito que achei de chamar sua atenção... - refletiu brevemente e então retomou, mais compenetrada: - Olha, eu quero que você depois me conte TUDO sobre TUDO que viu nesta viagem, tá bom?? Eu vou entrevistá-la! Podemos? Seus amiguinhos também. Agora, seria bom você descansar um pouquinho antes, né? Suas asas estão pálidas...!! - cruzou os braços, um pouco brava: - Porque, sério! Vocês já causaram problemas demais por hoje! Então, se precisar de algo, "me liga"! - aquela última frase soava estranha.... será que a Fada da Montanha estava se referindo a algum tipo de comunicação especial através do mundo feérico ou algo assim? algo que Vanessah nunca parou pra hipotetizar ser possível ou não.
« Última modificação: Julho 31, 2017, 02:41:54 am por Wyczek » Registrado
Wyczek
Moderator
Conhecedor
*****
Offline Offline

Mensagens: 1121


Space Gnome

« Responder #312 Online: Julho 31, 2017, 03:01:30 am »



Retha

- Ilha do queê....?? - interrogou Béthia atônita; porém, depois parece que algo lhe veio a tona, trazendo o indicador à testa... -..... Aaaahhhh............. Ééééé...! Se é o lugar para um tal de campeonato... coisa e tal, é aqui mesmo...! Mas eu pensei que vocês viriam todos juntos, num mesmo naviozão...!! - Então, olhou para as grandes caixas - Tem mais alguém ali? - indagou curiosamente, apontando para aquela que estava fechada ainda.

Já, sobre a pergunta de Retha, a adolescente da praia lhe respondeu, mas fazendo um ar meio monótono:
- Pra dormir...? - olhou então pros lados, e depois em direção à barreira da praia; Retha agora percebe que parece existir uma cidadezinha mais acima, em meio as uns morros escarpados, mas estava um pouco escuro ainda no amanhecer, e é por isso que nem tinha visto direito. - Tem lá... uma taverna... se tiver moeda. - Béthia agora parecia ficar um pouco nervosa... esfregava as mãos nos braços, como que pra se aquecer.
« Última modificação: Julho 31, 2017, 03:14:05 am por Wyczek » Registrado
JP Vilela
Aprendiz
**
Offline Offline

Mensagens: 83


« Responder #313 Online: Julho 31, 2017, 06:58:59 pm »

Aquela familiar tentação que o sujeito sentia já era algo praticamente natural em seu dia dia. O que lhe realmente incomodava era um leve olhar julgador, que conseguia observar de canto de olho, vindo da colega Drow. Não sabia se era o caso, ou se sua cabeça já lhe importunava com novas paranoias e ansiedades sociais... O que ele não queria era acabar mais uma vez tendo de ser ajudado por ela... ou por qualquer um outro membro de seu grupo por conta de uma bebedeira, já estava em dívida com aquela mulher, algo que não sabia nem como iria pagar para começo de conversa, não queria nem um pouco acabar parecendo um crianção irresponsável aos olhos do grupo. Não enquanto estivessem ali a trabalho, com aquele desafio para vencer.

As bebidas infelizmente tinham de ser mais moderadas, se quisesse estar apto, principalmente quando não podia confiar na estabilidade do colega ruivo... ou no foco da colega de pele azulada, uma vez que essa tinha arrumado uma criança para cuidar do nada! Ele levou a mão livre a ponte do nariz, massageando brevemente aquela área enquanto suspirava.

Baixou o braço olhando para sua mão direita, a qual ainda tinha aquele objeto aceso. Deu de ombros e levou o cigarro da xamã a boca, dando uma tragada para ver o que aquilo o proporcionaria, sem não antes tossir de manira desajeita, impedindo que completasse uma tragada completa, pela falta de experiência com aquele tipo de coisa. Queria com aquilo acabar distraindo sua vontade por mais uma garrafa de vinho. Demorou uns segundos com aquilo nos pulmões, exalando para o alto, tentando imitar a pose estoica que Faris fazia quando fumava, e tossindo mais um pouco antes que pudesse terminar de exalar, com os olhos comicamente merejados pela fumaça.

Olhou tentando parecer sério para a Drow, se dando conta uma fração de segundos depois que não conseguia encara-la direito nos olhos, desviando o olhar dessa vez para uma pilastra, fitando a estrutura de madeira um pouco nervoso, por fim informando a arqueira:

- Eu... Sair aqui... Andar... - disse, mantendo o tom sério e apontando de maneira redundante em direção a saída da taberna - Você querer? - esticou o braço que segurava o cachimbo na direção de  Syllence, enquanto ainda olhava em outra direção - Eu voltar mais tarde... Tentar aprender cidade - completou.   


   
« Última modificação: Julho 31, 2017, 07:01:25 pm por JP Vilela » Registrado
Ninna N. P. Gomes
Novatos
*
Offline Offline

Mensagens: 25


« Responder #314 Online: Agosto 01, 2017, 01:35:13 am »

Muito tempo atrás...

Retha aproximava a mão a nuca e alisava, com um sorriso torto. – Engraçado você disser isso, pois está ligado ao porquê de eu estar ali dentro. Ela começava a falar, enquanto gesticulava, pois não pensou que aquilo poderia estar relacionado.

– Seguinte: Lá antes de eu entrar no navio, do qual usávamos para chegar aqui, eu estava com o um grupo relativamente "excêntrico". Se assim posso definir. Enfim, era composto por um cara ruivo caladão meio sombrio com orelhas pontudas, inclusive tem uma outra mulher com as mesmas orelhas, mas com uma pele roxo escuro e cabelo prateado, tentei ver do que era o arco mas não consegui. Também um cara negro com manchas brancas e cicatrizes, talvez analfabeto ou estrangeiro de muito longe... e por ultimo uma fada tagarelante com cauda, eu gostava de como ela brilhava e voava livremente, menos quando tentava achar um pretendente para mim.

Retha passa por devaneios sobre as pessoas que conheceu naquele barco, mas depois retoma ao principal assunto.

– A sim, perdão... O "naviozão" a qual estávamos foi atacado por piratas... e eu não tive escolha a não ser me esconder naquela caixa, eu... Não sei se os demais tiveram a mesma sorte de saírem vivos do ataque. Quanto mais falava, mais era perceptivo o abatimento da garota artesã. Ela olha para a direção apontada pela Béthia meio confusa, mas compreendendo a indagação. Ela própria era prova disso. – Ãhn... Eu não sei lhe responder essa.

Após aquilo, Retha respirava profundamente e olhava para a cidade à vista por algum momento. Depois volta a atenção ao chão, se prepara e levanta a mochila até colocar em suas costas, em dois movimentos. Após ajustar as alças nos ombros, voltava para Béthia. – Valeu pelas informações e tenha um bom dia. Bem, eu vou seguir o meu rumo. "Enquanto ainda tenho um." Pensava, mas rapidamente descartava o pessimista. Era um novo lugar, logo poderia haver novas técnicas e cultura com a qual aprender. Conseguindo retomar a confiança de antes, acenando um adeus ou talvez um até logo enquanto se afastava. Quem pode prever? – Espero te ver em situações menos inusitadas Béthia!
« Última modificação: Agosto 01, 2017, 03:04:18 am por Ninna N. P. Gomes » Registrado
Ninna N. P. Gomes
Novatos
*
Offline Offline

Mensagens: 25


« Responder #315 Online: Agosto 01, 2017, 03:03:28 am »

Tempo atual...

- Obrigado. - agradeceu sem muito ânimo. Se ele apenas ouviu a porta bater, como sabia que era aquela? Talvez ele houvesse se confundido.

No atual humor, Cael tinha muito pouca paciência para lidar com aquilo, muito diferente de como ele normalmente era. Estava quase mudando de ideia e descendo as escadas para ir dormir em algum canto na rua em que pudessem lhe deixar em paz. Mas precisava conferir se havia alguém naquele quarto, pois ainda era sua melhor opção.

Com a mão na maçaneta, o ruivo tenta uma última vez antes de abrir a porta:

- Com licença. Há alguém utilizando o quarto? - inquiriu com o tom de voz um pouco mais alto, esperando que se houvesse alguém ali dentro, pudesse ouvi-lo e responder.

Se não houvesse resposta, só lhe restaria entrar nos aposentos.


O quarto sim estava sendo utilizado, mas por alguém que talvez Cael já tenha visto antes em momentos melhores, ao menos antes do navio ser atacado. A garota lá dentro estava sentada em umas das camas com as pernas cruzadas, ainda lendo um pequeno livro do qual adquiriu no caminho antes de se instalar no quarto. Quando ouve a voz por aquela porta, olha rapidamente para ela a fim de responder ao estranho no outro lado.

– Oi! Sim-sim, quarto ocupado! Entretanto, ela estranhou. "Essa voz não me é familiar?..." A garota ponderou por alguns segundos, encarando a porta, antes de ligar os pontos e estalar os dedos. Ela deixa o livro sobre a cama e vai em direção a porta.

– Quais as palavras mágicas!?... Brincadeira Cael, pode entrar!Ela esperou a porta ser aberta pelo rapaz caladão.
Registrado
Wyczek
Moderator
Conhecedor
*****
Offline Offline

Mensagens: 1121


Space Gnome

« Responder #316 Online: Agosto 01, 2017, 05:58:24 am »



Cael, Retha

Por essa, ninguém esperava... absolutamente ninguém!

Cael não acredita em seus próprios olhos - primeiro, ouvidos é claro. Aquela voz, e depois aquela visão, já que a porta do quarto tinha se aberto mais além, era.... aquela garota.... Sim! O último e "Quinto Elemento" (totalmente esquecido!) daquela estranha Comitiva de Desafiantes, e que o Elfo julgou tão brutalmente como morta afogada ou trucidada pelos Piratas... nem sequer lembraram-se dela... Agora, no entanto, a menina artesã parecia bastante real ali, em carne e osso.... MAS COMO ASSIM?!?...

Para Cael, uma mistura de espanto, choque e remorso (consigo mesmo), alegria, e re-tomada de Consciência ou Memória do que fizeram juntos desde a saída de Bradbaum, até finalmente o trágico Ataque Pirata em plena Vastidão... em que haviam se separado, e perdido (quase) tudo...

Para Retha, a qual havia ingressado por último no grupo ainda logo antes do navio zarpar do Continente - e mais meio que para "preencher" a vaga restante (e obrigatória!) para o Concurso -, era também surpreendente, em algo, ver Cael, vivo, mas ele estava num estado um pouco catatônico ou cansado.... Como tinha chego ali?? Será que ele viajou numa caixa também assim feito a menina artesã...? Só que ele era adulto, grande, e nem tão esguio assim para um elfo comum. Enfim... Parecia ser uma boa notícia, apesar de tudo.

Para ambos!
« Última modificação: Agosto 01, 2017, 06:01:58 am por Wyczek » Registrado
UrbanShark
- kouseko jikon desu
Global Moderator
Mentor
*****
Offline Offline

Mensagens: 5058


- urusai, urusai, URUSAI -

GAMER's SHARK E-mail
« Responder #317 Online: Agosto 01, 2017, 10:17:25 am »

Por um breve momento a Drow recordou-se do que acontecera naquela taverna em que conheceu Iyas. Levou a mão a face ao brevemente imaginar que talvez aquilo pudesse acontecer de novo, e tudo que queria evitar naquele resto de dia era uma outra briga em taverna. Seus olhos se direcionaram para Allegro que se escondera em baixo de uma mesa, ao menos estava no seu campo de visão, ela pensou.

Já estava bem cansada, e ainda tinha que lidar com o problema de Cael, sem contar a pequena fada, que por si só já era um problema, por incrível que pareça talvez Allegro fosse a menos problemática desse caótico grupo, e ali estava ela "a babá". Balançou a cabeça negativamente em sinal de ironia.

Quando o humano levantou-se estendendo aquela coisa esquisita que ela sabia exatamente o que era na ua direção a mesma apenas fez sinal de negativo com a cabeça. Apesar de achar que talvez não fosse uma boa ideia se separar naquele lugar, não impediu Iyas, afinal ele era livre para ir e vir, além de também imaginar que não adiantaria muito tentar impedi-lo - Vou esperar e confirmar nossa presença no torneio, se não me encontrar aqui em baixo é porque já fui para meu quarto!!
Registrado
Natbear
Iniciado
***
Offline Offline

Mensagens: 171


The Bear Next Door

Savage Minds Comic
« Responder #318 Online: Agosto 01, 2017, 12:45:42 pm »

Cael abriu a porta após ouvir aquela voz, mas ficou parado na entrada com um olhar atônito para a jovem. A surpresa em vê-la tinha o deixado sem ação. A memória meio nublada que ele costumava ter sobre momentos em que estava totalmente sob o efeito do feitiço talvez houvesse afastado as lembranças de que havia mais uma pessoa naquele grupo e que esta pessoa estivera desaparecida... Até agora. O elfo não tinha certeza de como algumas memórias pareciam se esconder bem fundo em sua mente, como se houvessem acontecido à séculos atrás, mas também existiam muitos outros fatores difíceis de compreender sobre o feitiço.

Passado o momento de surpresa, o ruivo não conseguiu conter um sorriso de alívio e satisfação em ver a pequena humana ainda viva e não mais perdida. Lembrava que não tinha se comunicado muito com ela na viagem - e nem com os outros - mas sua euforia em lhe ver era genuína.

- Milady Retha! É muito bom saber que Milady sobreviveu! Mas... Como? -  a boa notícia diante de seus olhos tinha apaziguado uma parte de todas as emoções negativas que sufocavam o verdadeiro Cael e traziam algo que ele não tinha certeza se era possível ser controlado.

Só então ele entrou no quarto e se aproximou da humana, percebendo também que haviam mais camas naquele lugar, o que queria dizer que talvez mesmo seu sono fosse complicado, se fosse temer representar algum perigo aos companheiros até no descanso deles. Mas deixou aquilo de lado por enquanto, ia se concentrar em Retha agora.

Ao ver a jovem à sua frente do mesmo jeito que à vira da última vez, o elfo até teve vontade de ajoelhar-se à sua frente abraça-la, como se estivesse vendo um amigo há muito tempo perdido retornar, porém, ao pensar melhor viu que aquilo não faria muito sentido, já que mal falara com ela antes deste momento. Talvez esse desejo tenha sido só porque a humana não deveria estar muito longe da "fase de crescimento" que sua própria irmã da última vez que a vira, quinze anos atrás.

O cansaço ainda estava bem presente em suas feições, mas, de algum modo, ele sentia-se levemente melhor ou talvez momentaneamente anestesiado pela animação que surgira nele após a descoberta.


|1-RAZ|
« Última modificação: Agosto 01, 2017, 07:44:05 pm por Wyczek » Registrado
Wyczek
Moderator
Conhecedor
*****
Offline Offline

Mensagens: 1121


Space Gnome

« Responder #319 Online: Agosto 01, 2017, 08:12:05 pm »



Retha, Cael

O dormitório era de médio porte, e comportava exatamente 5 camas... talvez, a Taverna dos 7 Mares estivesse de fato informada e preparada para receber os Desafiantes, no mês de sua chegada.
De estrutura e mobiliário relativamente simples, porém espaçosa e ao mesmo tempo aconchegante, fazia juz ainda, ao espaço glorioso do salão no andar de baixo.
Apesar de nada muito pomposo, tudo estava pronto para uso dos clientes, que nem nos mais requintados serviços de hotelaria do mundo... Mas banheiros no entanto deveriam encontrar-se no corredor quem sabe. Havia uma janela de correr que dava para uma espécie de pátio interno (no 2º andar!) retangular e ao estilo espanhol, com piso de madeira e vegetação arbustiva disposta em grandes vasos diversos... e era possível ver através daquela janela e das folhagens centrais, muitas das venezianas fechadas de outros quartos. Mas aparentenente o acesso ao pátio interno seria por outro local.


« Última modificação: Agosto 01, 2017, 08:18:09 pm por Wyczek » Registrado
JP Vilela
Aprendiz
**
Offline Offline

Mensagens: 83


« Responder #320 Online: Agosto 02, 2017, 01:39:35 am »

Apertava os grossos lábios com uma expressão de tédio ao perceber com sua visão periférica que Syllence recusara o item oferecido. O humano meio que já esperava que esse seria o caso, e uma parte dele até que apreciava o fato de não ter que dividir aquilo com ela... Concluía que se acabasse morrendo envenenado por conta daquele "remédio", pelo menos  com aquele truque a xamã de olhos fendados não faria mais do que de uma vítima naquele grupo, para seus possíveis sacrifícios rituais! Toda essa ponderação talvez já fosse efeito do álcool, se bem que só havia tomado tão pouquinho até então...

Ouviu o que a colega tinha a dizer enquanto abaixava a mão que segurava o charuto e observava agora a criança de pele azulada e cabelos negros.  Concordou com o que a Drow adulta tinha se disposto a fazer, mimicando o mesmo tipo de aceno com a cabeça que ela tinha feito momentos atrás, só esperava que nem aquela pirralha, nem a fada, nem o agora instável Cael atrapalhassem aquela que atualmente parecia a colega com a qual ele mais poderia contar... Por mais que aquilo não era algo que o deixava confortável.

Shil'la - despediu-se após um suspiro enfadado, fazendo sua costumeira, breve e quase mecânica e reverência.

Girou em torno do próprio eixo e rumou na direção do exterior da taberna, sem muita pressa no andar, trocando a mão com que segurava aquele recém adquirido "medicamento", colocando a direita no bolso, esta que possuía uma grande mancha branca que cobria as das costas de sua mão até as pontas de três de seus dedos de maneira irregular o indicador e o polegar ainda mantinham a mesma coloração das partes não afetadas. Com a esquerda, levava o fumo a boca para mais uma inexperiente tragada, que resultava em breves s tosses. Ainda sentia o pulso latejando e aquilo o fazia ficar com uma expressão emburrada, nada amistosa.

Enquanto passava pelo arco da entrada da edificação estreitava os olhos castanhos bem escuros que entravam em contato com a luz do dia: Estava a varrer a paisagem local em busca de um comércio ou mercado local. O sujeito estava interessado em adquirir algo importante que havia perdido durante o caos que foi o maldito ataque ao navio...
« Última modificação: Agosto 02, 2017, 02:06:02 am por JP Vilela » Registrado
Jean Valjean
Conhecedor
*****
Offline Offline

Mensagens: 1114


« Responder #321 Online: Agosto 02, 2017, 08:19:27 pm »

Citar
- Óh! Perdão, Vanessinhah! Eu não sabia que sua cauda faria isso com você!

- Não tem importância, no ar eu faço acrobacia e nem dói, olha!

Ela voa que nem doida, fazendo piruetas.


Citar
- Eu nunca vi uma Fada com uma cauda antes...! Aí eu quis "experimentar"...! E você estava tão apressada e surda que foi o único jeito que achei de chamar sua atenção...

- Pois é, é que sou da floresta e algumas de nós pegam características de alguns bichinhos fofos. Mas eu também nasci de uma orquídea, então modéstia a parte, sou especial né! E diz a verdade, fico super sexy com esta caudinha, não fico? Hihi, nós fadas somos vaidosas, né?

Citar
- Olha, eu quero que você depois me conte TUDO sobre TUDO que viu nesta viagem, tá bom?? Eu vou entrevistá-la! Podemos? Seus amiguinhos também. Agora, seria bom você descansar um pouquinho antes, né? Suas asas estão pálidas...!!

- Ah, tá, tudo bem. Eu vou ver se ajudo meu amigo dormir, sabe o ruivinho bonitinho? Estou querendo entrar no País dos Sonhos perto dele, para ver se tiro uns sonhos ruins que ele tem com uma feiticeira filha da $@%$, e vou aproveitar e ver se enfio na cabeça dele uns sonhos eróticos com minha amiguinha drow, sabe aquela azulzinha peituda? Então, os dois são apaixonadinhos mas morrem de timidez, e é função nossa das fadas de ajudar a natureza proliferar. Que tal se você vier me ajudar? Duas fadas no País dos Sonhos são mais fortes que uma só!
« Última modificação: Agosto 07, 2017, 02:44:39 am por Wyczek » Registrado
Páginas: 1 ... 11 12 13 [14] 15 16 17 Ir para o Topo Imprimir 
« tópico anterior tópico seguinte »
 
SMF 2.0.10 | SMF © 2014, Simple Machines
Simple Audio Video Embedder

FaleRPG, Capítulo Um - A Ilha dos Desafios - Theme by Mustang Forums
Página criada em 0.328 segundos com 29 procedimentos.